in , ,

16 Imagens que comprovam que (quase) tudo era possível no Carnaval de antigamente

Existe um certo saudosismo, das gerações mais velhas, em relação ao tempo em que vivenciaram sua juventude – a expressão “no meu tempo…” nunca foi tão utilizada quanto nos dias de hoje.

Essa expressão se encaixa em praticamente tudo, principalmente quando se tenta comparar as músicas das décadas passadas com as atuais, as dificuldades enfrentadas “antigamente” que hoje não são mais problema – como por exemplo não sentir dor ao aplicar um remédio sobre uma ferida exposta, algo que era comum antes da vinda do medicamento merthiolate.

Com o Carnaval, não seria diferente. É de se espantar o que era moralmente aceito ou o que se passava na TV durante as manhãs demograficamente dominadas pelas crianças ou durante o horário nobre; e tinha de tudo, desde uma modelo sem calcinha tirando foto ao lado do presidente, um futuro deputado bolinando as foliãs, até uma rainha de bateria usando uma coleira com o nome do marido!

Confira abaixo 17 provas de que tudo era possível no Carnaval de antigamente, especialmente entre os anos 60 e 90.

1. Uma época em que se podia vender lança perfume, com direito à propaganda, marketing e tudo mais (1961).

2. Ah, e uma época em que aparecer na capa de uma revista famosa sem calcinha e ao lado do presidente da República era uma “folia” (1994).

3. O gringo Schwarzenegger achava que sabia dançar, pegava nas sambistas sem pudor e ficava rindo para a câmera (1983).

4. E o que dizer do futuro deputado federal Celso Russomano, à época repórter, fazendo esses gracejos numa entrevista? (1987).

5. Esqueça a questão do empoderamento feminino: podia desfilar usando uma coleira com o nome do marido em plena Sapucaí, como um objeto, em pleno ano de 1998.

6. Época em que ser o maior astro do futuro nacional não o impedia de dar uma entrevista completamente bêbado; caso de Sócrates (1985).

7. Não havia muita discussão ou burburinho nos anos 90 com crianças fantasiadas de Tiazinha, com direito a máscara e chicote.

8. Por falar em crianças, estava tudo bem colocar um biquíni fio de dental numa bebê e expô-la numa capa de disco (1989).

9. E que tal desfilar no sambódromo completamente nu? Sem pintura, sem tapa-sexo, num carro alegórico. E aparecer assim na televisão? Foi o caso de Jorge Lafond, a Vera Verão (1990).

10. Pular carnaval num auditório ao vivo sem esconder nada? A modelo Enoll Lara desfilou assim em 1989 pela escola de samba União da Ilha.

11. Com o aspecto da nudez relativizado, não houve problema com Dercy Gonçalves desfilar com os seios à mostra na Viradouro (1991).

12. Também tinha as famosas vinhetas do carnaval promovidas pela Rede Globo, em que a modelo Valéria Valenssa aparecia nua o dia todo na TV, inclusive nos intervalos da Sessão da Tarde.

13. A TV Manchete, obviamente, não quis ficar pra trás e colocou logo duas modelos nuas para desfilar.

14. E que tal o herdeiro do trono inglês, Charles, numa visita oficial ao Brasil, dançar no carnaval com a lendária passista Pinah? (1978)

15. Nem Xuxa ficou de fora do Carnaval, dançando pelo clube Atlético em 1983, véspera da estreia de seu programa infantil na TV Manchete.

16. Pra terminar, uma foto única, rara e improvável entre Claudia Raia e Alexandre Frota, em 1989.

O Carnaval brasileiro vem passando por profundas transformações para continuar subsistindo e permanecer culturalmente relevante. Além de constantes cortes de verbas promovidos pelas prefeituras regionais, o que dificulta a execução e confecção dos projetos, os carnavalescos e as escolas de samba vêm enfrentando uma progressivo conservadorismo da sociedade, cujo segmento mais importante, – o evangélico, – vem ganhando espaço na política e na fluência social, descreditando e desconstruindo a cultura do carnaval.

Não é à toa que uma pesquisa realizada pela CNT e pelo Instituto Sensus mostrou que 57% da população rejeita a festa, enquanto apenas 41% a apoia. Além disso, a tradicional transmissão televisiva vem sofrendo com baixíssimos índices de audiência, o que levanta a discussão se ainda é viável transmitir os desdobramentos da comemoração.

De toda forma, desde 1932, quando o Carnaval foi institucionalizado, a festa se tornou um importante traço da cultura brasileira, não podendo ser menosprezado.

Qual desses fatos mais chamou sua atenção?

Compartilhe o post com seus amigos!

Saiba mais:

Não deixe de ler:

 

FAÇA UM COMENTÁRIO

16 Provas de que o ano de 1997 foi um divisor de águas para o Brasil

9 sinais alarmantes da diabetes – você nunca deve ignorá-los